Banner Topo
GMT-3 04:47 AM

About the author

Related Articles

One Comment

  1. 1

    Francsico Pineda

    Eu tenho uma Dunna 600 já há três anos. Está com 25 mil km bem rodados e bem aproveitados. Todos querem saber os defeitos da moto, que acho que é o que mais interessa. Ela vibra muito na pedaleira traseira para o passageiro quando em velocidade superior a 100 km/h. O pezinho quebrou quando estacionada em virtude de excesso de carga nas bolsas laterais e no baú, isso em razão da baixa qualidade do material e da forma como foi produzido, porém fácil de ser consertado. O mata cachorro também é fraco, pois quando furou um pneu de madrugada e não tinha borracheiro aberto, na hora de por no guincho o guincheiro catracou no mata cachorro que envergou e quebrou, pois ele é em duas peças, não inteiriço. Também de fácil manutenção. Os pneus se acabaram o traseiro com 17 mil km e o dianteiro com 24 mil km. Os dois ficam em torno de R$ 450,00. A bateria de 14 amperes também se acabou e uma nova ficou por R$ 250,00, sendo a primeira troca para uma moto 2012. Pastilhas de freio gastam por volta dos 10 mil km traseiro e 14 mil km dianteiro. O freio traseiro é relativamente bom, poderia ser melhor. O dianteiro é do mesmo nível e deveria ser de dois discos, como é nas mesmas motos pelo resto do mundo (é vendida no mundo inteiro com outro nome). Cada par de pastilha de freio custam R$ 70,00. Até hoje não quebrou nenhum cabo, não queimou nenhuma lâmpada, e não deu nenhum problema mecânico. A troca de óleo eu faço a cada 3 mil km. Vai 2,4 litros e sai por volta de R$ 20,00 cada litro e R$ 65,00 o filtro original de fábrica. Com 24.500 km tive que trocar a relação. A original de fábrica custa R$ 880,00, porém eu comprei cada parte em lojas separadas e saiu bem mais barato. O líquido de arrefecimento é trocado a cada 10 mil km, e é o preço normal de fluído para radiador. Ela é difícil de se zerar o odômetro parcial e acertar o relógio, pois o sistema de isolamento é muito forte e os botões ficam duros e difíceis de se acessar, mas como tem marcador de combustível, pouco usei. Ela não aceita marcha errada de forma alguma. Tem gente que diz que ela sai em terceira, nem em sonho. Se bobear, com ela andando não aceita nem a segunda marcha. Dificilmente se acelera acima da metade do conta giros, pois já dá aquela esticada. Se acelerar forte continuamente, vai fazer de 13 a 14 km/litro na cidade. Se andar de boa, vai fazer de 15 a 16 km/litro. Na estrada de 90 a100 km faz uns 23 a 24 km/litro. Acima de 100 km baixa um pouco. Rodando a 120 km direto ou mais, cai para uns 20 ou até 19 km/litro. Não aceita gasolina adulterada, ela anda normalmente, mas pode dar pau. Isso aconteceu uma vez e só depois de umas duas horas que deixei parada e dei partida que ela ligou. É macia, bem estável nas curvas, boa de manobras. Cheguei a dar 150 km algumas vezes e dá para sentir que ainda tem um restinho de motor. Nessa velocidade ela corta bem o vento e até com capacete aberto não dá problema na pilotagem. Segundo informações, só tem 200 delas no Brasil e só existe ano 2012. O seguro não é caro, pode andar sem medo que nunca ouvi falar de alguma ser roubada. Muita gente pára para admirar e fazer perguntas. É uma moto estradeira sem sombra de dúvidas. O maior defeito: é muito alta. Eu tenho 1,80 e já passei vários apuros com ela parada por faltar o pé de apoio. Quem tem baixa estatura não irá conseguir pilotá-la de forma alguma. A regulagem de suspensão para baixar a altura, segundo o mecânico, faz com que ela fique muito dura, então não fiz. É uma moto que para uso vale muito a pena. Para negócio, todo mundo gosta, mas ninguém compra, a não ser que abaixe bem o preço. Mas isso eu já passei com Honda Twister e Sahara, que só vendi a preço de banana, mesmo estando boas. Quem quiser saber mais detalhes, mande email: pineda993269526@yahoo.com.

Deixe uma resposta

2016 Powered By Motoboy Magazine